Chá da tarde

Estrela Azul
Thiago Soeiro

Ainda pequeno olhava o céu admirando teu brilho
Luz divina, que enche os olhos de um menino
Com meus dedos tentei tocá-la
Imaginei até uma escada para te alcançar
Noite em claro na janela do quarto a te admirar
É a luz que tenho a me guiar
A estrela que nunca vai deixar de brilhar.

  • Alcinéa, Thiago, que linda declaração de amor, admiração e afeto! Lindo poema, lindo menino!
    A poesia é uma forte luz, espalha magia, delicadezas, ternura… Ela é mesmo uma corrente do bem. Beijos, queridos!

  • Eu fiquei com vergonha, mas como é um presente achei muito legal ter colocado no blog. Obrigado pelo incentivo a poesia. Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *