Senador Randolfe: “Não sou delegado de polícia nem palmatória do mundo”

Protagonista de representações junto à Procuradoria Geral da República e ao Conselho de Ética do Senado contra o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), tem sido cobrado por setores da imprensa e da política local quanto à sua postura em relação às denúncias contra o senador João Alberto Capiberibe (PSB-AP).

Demóstenes é acusado, com denúncia na Procuradoria Geral da República, de ligações suspeitas com o contraventor preso Carlinhos Cachoeira, chefe do esquema de caça-níqueis em Goiás. No Amapá, adversários de Capiberibe protocolaram denúncia na Polícia Federal quanto a suposta compra de casa com recursos do SUS.

Durante entrevista à jornalista Ana Girlene Oliveria, do programa de rádio Café com Notícia, na sexta-feira (30), Randolfe disse “não tentem transformar um mandato de senador da República numa delegacia de polícia”.
Eis a íntegra:

Ana Girlene – Nota publicada pelo jornal A Gazeta, na coluna Gazetilha, considera “estranho” o senhor ter representado contra Demóstenes Torres, uma vez que são amigos.

Randolfe – É importante e necessário separar o espaço da política do espaço da coisa pública, o espaço da República. A política deveria ser, embora muitos políticos não o façam, o espaço do sacerdócio público. E sacerdócio é abnegação e renúncia. Quem é sacerdote renuncia aos prazeres individuais em favor de algo coletivo. Esse é o sentido e o dever ser da política mas, geralmente, o que acontece é a deturpação.
Política é o espaço da res pública, do debate da coisa pública. É lógico que no espaço do parlamento se estabelecem relações privadas, mas o parlamento não é uma confraria. Eu não aceito nessa argumentação de que “aqui somos todos colegas”, “aqui um não mexe com o outro”. Quem defende isso, esquece que neste momento o espaço em que está não pertence a si, não é um espaço individual, não é uma confraria, não é o espaço das relações privadas, é o espaço da representação popular.
Aliás, a Constituição da República é mais rigorosa com o comportamento ético do parlamentar do que contra qualquer outro servidor público. Não é a toa que o nosso Estado de Direito, fundado nas bases da antiguidade clássica romana, definiu que o espaço da representação pública deve ser o espaço dos interesses públicos, de onde os assuntos privados devem ser afastados.

Ana Girlene – Como o senhor se sentiu ao representar contra o senador Demóstenes?
Randolfe – Não é confortável, logicamente, representar contra nenhum colega e eu preferiria que não fosse necessário. Mas, sou chamado a decidir entre as minhas relações pessoais, particulares e a coisa pública. Não resta alternativa para um parlamentar, quando chamado a este dilema, a não ser optar pela defesa do interesse coletivo. Então, não tem nada de pessoal e não terá nada de particular todas as vezes que eu for chamado para atuar e representar em defesa da instituição.

Ana Girlene – Ao mesmo tempo, o senhor vem sendo cobrado para representar contra o senador João Alberto Capiberibe em função das recentes denúncias sobre a suposta compra de uma casa com recursos do SUS.

Randolfe – Outrora, o ex-senador Gilvan Borges foi denunciado em um processo envolvendo a Funasa. Fui provocado para representar contra ele. Hoje, aliados do senador Gilvan me provocam para representar contra o senador Capiberibe. Os grupos em conflito podem ficar  tranquilos, porque eu representarei contra quem tiver que representar,  quando tiver elementos para representar. A representação no senado  federal não vai ser por razões de conflitos, de brigas particulares.  Representação tem que ser motivada quando tiver elementos.
Quando ocorreu a primeira denúncia em relação ao senador Demóstenes, eu e o senador Pedro Taques o procuramos e perguntamos para ele se havia mais alguma coisa a surgir, e ele nos disse que não. Fomos à tribuna e lhes demos um voto de confiança. Lamentavelmente, há um inquérito da Polícia Federal em curso, há um procedimento da Procuradoria Geral da República, há um pedido de abertura de inquérito contra um senador da República.
Representação no Conselho de Ética do Senado Federal não pode ser objeto para picuinhas e brigas locais. É um instrumento para ser utilizado quando o Senado da República, quando a instituição estiver sob ameaça. Pois, quando a instituição está ameaçada é a democracia que está ameaçada e isso exige do homem público que separe a relação privada da ação pública.

Ana Girlene – Nesse caso envolvendo o senador Capiberibe, especificamente, o senhor não vê nada que justifique uma representação?

Randolfe – Assim como anteriormente, nas denúncias contra o senador Gilvan quando foi instaurado o procedimento pela Polícia Federal, enquanto não tivemos acesso aos autos não havia motivo para tanto. Não tentem transformar um mandato de senador da República numa delegacia de polícia. Eu não sou delegado de polícia e nem palmatória do mundo e nem vou atuar desta forma.
Tendo elementos concretos contra qualquer colega parlamentar eu não titubearei. Assim foi com o senador Demóstenes, que convivia comigo, foi convidado por mim para ir ao Amapá em um evento do Ministério Público e mesmo assim não titubeei. Mas, não tragam a briguinha, a picuinha política local como um elemento do debate político nacional. Quando tiver elementos contra quem quer que seja, não quero, inclusive, ter que representar sozinho. Gostaria de ter outros colegas de outros partidos junto comigo.
Nós temos que compreender que o  parlamento não é uma confraria, um local de amigos. É o lugar da coisa  pública.

(Márcia Corrêa)

  • Acho justa sua posição SENADOR, entretanto, pergunto ao Sr. porque ñ se pronuncia a respeito das acusações do uso de passagens pela família capiberibe, quando o atual governador ainda era Deputado…
    Eaí, o Senhor vai amarelar???

  • Parabéms pela reportagem do Café com Noticia.O senador tem que se preocupar sim. principalmente se as brigas particulares, envolverem o nome do Estado. afinal ele foi eleito pelo Amapá

  • Prezado senador Randolfe, compreendo sua primeira reação de cautela em relação ao caso Capiberibe, a final de contas, em relação ao caso Demóstenes vossa Excel~encia também foi bastante cauteloso, inclusive se manifestando quando Demóstenes subiu na tribuna do senado e se defendeu. Porém, quando a imprensa deixou claro o que estava ocorrendo nos bastidores e o que a PF encontrou, vossa Execelencia nao titubiou, exigiu do procurador-geral que se pronuncia-se e representou no conselho de ética. Agora é a revista ´`Epoca que revela que a PF descobriu 35 contas fantasmas do governador Camilo e a compra ilegal da casa do senador João Capiberibe, com dinheiro que deveria atender a saúde de nós amapaenses, que morremos a mingua nos corredores sem remédio, sem socorro. Vossa Excel~encia continuará dizendo no caso Capiberibes que não é delegado e pronto?

  • Tá para tudo! Vocês queriam o quê? Que saisse o CAPI para entrar o paralelo? O Randolfe pode ter cara de menino, mas não e ingênuo nem burro para embarcar naquela conversa fiada do D’lua.

  • Ainda bem Senador! Pois olhe o que um Delegado de Polícia fez de sexta para sábado passado. registrou queixa no CIOSP do Pacoval contra a presença do BOPE que entrava se serviço no reforço do policiamento no bairro Perpetuo Socorro, isso porque uma equipe passou na rua da casa dele. Presença que os moradores adoraram, mas como na vida tem gente pra tudo… Acreditem a autoridade Policial é o Delegado de Polícia Sávio Pinto. Durma-se com um barulho deste.

  • Senador randolfe Rodrigues não me impressiona de maneira alguma com seus discurssos formais e bem fundamentados. Em verdade me sinto orgulhoso em saber e dizer a todos que fiz um belo investimento, quando dei meu voto de confiança nas urnas a esse jovem político. Concordo com tudo que ele falou, e digo mais, prova maior de compromisso com o povo não há: Quantos de nós temos ou teríamos conragem de representar contra um amigo nessas circunstâncias. Portanto parabenizo ao Senador Randolfe que têm se mostrado fiel aos dogmas do seu “sacerdócio público” como bem comparou ao sacerdócio religioso e por pensar de maneira louvável na renuncia aos prazeres individuais em favor de algo coletivo! Parabens ao Café com Notícias, por fazer o acompanhamento das ações políticas da congentura atual e a vc Alcinéa por divulgar essa deliciosa matéria! Abraços e “Fé no homem e fé no que virá”

  • muito sensato. continue assim Senador!!nunca nos decepcione!!único que não temos nada o que falar!!
    se fosse pro capi, teria sido pro gilvan tb representando contra eles.
    Se tivesse denuncias plausiveis contra capi, representaria da mesma forma.

  • Oh, Gloria!! Ainda bem que temos dois senadores com cérebro no Amapa. Randolf e Capiberibe. Pessoas integras e eticas. Parabéns “menino” Randolf! Isso que e voto valido.

  • Vejam onde foi parar nossa confiança nos políticos. Essa atitude tomada pelo senador Randolfe é o mínimo que um político de verdade deveria fazer, na verdade o que temos como nossos “representantes” são meros carreiristas que só querem saber do próprio umbigo, o que parece não ser o caso de Randolfe, mas não meto minha mão no fogo por ele, dou apenas um crédito substancial, porque o próprio Demóstenes pagava de Jesus Cristo e vejam só a lama em que está atolado!

  • Clareza maior impossível. Parabéns ao Senador Randolfe pelo discernimento; por agir baseado em fatos concretos; refutar objetivos menores calcados em sofismas e picuinhas políticas.
    Um SENADOR com essa postura só pode engradecer o voto de seus eleitores, e por que não, também o povo do Amapá.
    att Josenildo Mendes

  • Sábias e sensatas palavras do Senador Randolfe. No que concerne ao Capiberibe,ainda massacrado por seus opositores, fica evidente que continuam criando fatos, denúncias sem cabimento,sem provas, nada que justifique uma representação. Trata-se de vingança por ter reconquistado com muita luta, a ferro e fogo, seu mandato no Senado. Parabéns Senador Randolfe, são sábias e honestas suas palavra, o senado não é uma delagacia de polícia.
    Parabéns a jornalista Gisele Barbieri pela condução da entrevista
    http://www.saitica.blogspot.com
    daniel

  • Quanta pergunta tendenciosa. A digníssima entrevistadora queria tanto que ele falasse do Senador Capiberibe!!

  • vcs viram a entrevista do senador Randolfe, sabado a noite na rede vida? o “cara” deu um show de conhecimento e deixou todos de boca aberta!! orgulho para o amapá…parabens!!quem viu sabe do que estou falando…abraço a todos q curtem esse blog.

  • Olha este tem o meu respeito por tdo que é ,por tudo que representa!!! Isso é politica ,vc está certissimo SENADOR!

    • Político e estadista. Político pensa nas próximas eleições; estadista pensa nas próximas gerações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *