Ministério da Saúde repassa R$ 1,3 milhão para combate à dengue no Amapá

Para intensificar as medidas de vigilância, prevenção e controle da dengue, o   Ministério da Saúde está repassando R$ 173,2 milhões a todos os municípios brasileiros.  O Estado do Amapá irá receber R$ 1,3 milhão para a qualificação das ações de combate ao mosquito transmissor da doença Aedes aegypti, com o aprimoramento dos planos de contingência.

Mais de 190 milhões de pessoas serão beneficiadas com as medidas de controle e prevenção da dengue. O adicional representa um subsídio de 20% do valor anual do Piso Fixo de Vigilância e Promoção da Saúde e será repassado em parcela única.

Em contrapartida, os municípios precisam cumprir algumas metas, como disponibilizar quantitativo adequado de agentes de controle de endemias; garantir cobertura das visitas domiciliares pelos agentes; adotar mecanismos para a melhoria do trabalho de campo; realizar o LIRAa (Levantamento Rápido de Infestação por Aedes Aegypti) com ampla divulgação nos veículos de comunicação locais; notificar os casos graves suspeitos de dengue, entre outras medidas.

CASOS DA DOENÇA – O Brasil registrou 77% de redução nos casos graves de dengue no período comparativo entre janeiro a dezembro 2010 e janeiro a dezembro de 2012.  No ano passado, até 22 de dezembro, foram registrados 3.965 casos graves em todo o país, contra 17.475 no mesmo período de 2010.

No Amapá, os casos graves de dengue reduziram 66% de 2011 para 2012. Em 2012, foram registrados 14 casos graves de dengue no Estado contra 41 em 2011.

ÓBITOS– O número de mortes por dengue, no Brasil também apresentou queda, de 57% em comparação com 2010. De janeiro até 22 de dezembro de 2012, foram confirmados 283 óbitos, sendo que no mesmo período de 2010 foram 656.

No Amapá, a redução de óbitos foi de 100%, ou seja, nenhum óbito por dengue em 2011 e 2012.

(Kattiúscia Alves e Moema Pimentel, da Agência Saúde /MS)

  • A limpeza da cidade é de maior urgência,pois evita a proliferação do mosquito não só da dengue como o da malária tb.Esperamos que os municipes e secretaria de saúde façam cada um a sua parte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *