Sobre ameaças

Em primeiro lugar, agradeço as manifestações de apoio e solidariedade que tenho recebido por e-mail, twitter, telefonemas, comentários nos blog e dos muitos amigos que tem vindo a minha casa. Obrigada a todos vocês. Muito obrigada mesmo.
Esta não a primeira vez que tentam me calar e sei que não será a última. Nesta terra cortada pela Linha do Equador e banhada pelo Rio Amazonas, tentar calar através da intimidação, de ameaças, processos, agressões verbais, perseguição, ofensas e bala é coisa que vem desde quando o Território do Amapá foi criado. Meu pai – que também era jornalista – sofreu ameaças. Uma vez, eu era criança ainda, meu pai dormia com a janela do quarto aberta (naquela época em Macapá as janelas estavam sempre abertas) um homem, pela janela, tentou matar meu pai com um golpe de punhal. Só não o fez porque minha mãe entrou no quarto naquela hora e deu o alarme. Até hoje ainda escuto o grito de medo e pavor de minha mãe diante daquela cena. O “homem do punhal” ia matar meu pai a mando de um político.
Passamos por muitos momentos de medo e tensão. Quando meu pai demorava a chegar em casa, o medo ia se instalando em nós. Criança eu não entendia muito o que se passava, mas sabia que a qualquer hora poderia chegar a notícia mais triste. Ficaram gravadas na minha mente e na minha retina, as cenas de minha mãe chorando separando lençois brancos e arrumando a casa para receber o corpo do meu pai, uma vez que ele passou mais de 48 fora de casa e sem dar notícia. (Abro parênteses para dizer que naquele tempo o defunto era colocado na mesa da sala. A mesa e o corpo cobertos com lençóis alvíssimos. Mais tarde um funcionário da funerária media o corpo e ia fazer o caixão. Até que o caixão ficasse pronto já tinham se passado muitas horas). Mas para felicidade de todo mundo, eis que meu pai chega, vivinho da silva, e contou que teve que passar dois dias escondido porque estavam atrás dele. Você pode perguntar: por que ele não deu notícia? Respondo: naquele tempo não havia telefone, as casas eram vigiadas, se alguém aparecesse em casa para trazer notícias com certeza seria seguido e saberiam onde meu pai estava.
Na década de 80, meu pai já fisicamente fragilizado pela idade, hipertensão, diabetes e problemas cardíacos foi covardemente esmurrado por um jovem político que não gostou de um artigo que meu pai escreveu mostrando como se dava a compra de votos em Macapá.
Meu pai, de óculos, sentado à mesa, de cabeça baixa escrevendo em sua velha máquina de escrever olivetti foi surpreendido pelo jovem político que entrou em sua sala feito um furacão e gritou seu nome. Meu pai levanta a cabeça para ver quem era e foi atingido por um soco no rosto que quebrou seus óculos e o feriu. O covarde, jovem robusto comprador de votos, assim como entrou saiu, feito um furacão.
Em 1989 meu pai morreu.
Eu também já tive que enfrentar a fúria de políticos e outras autoridades que se metem em todo tipo de falcatruas e querem calar os jornalistas a qualquer custo, já tive que enfrentar a fúria de políticos ditadores que não admitem que se simpatize com candidaturas que não sejam a sua, do seu grupo ou dos seus líderes, já enfrentei a fúria daqueles que tentam impedir a qualquer custo a publicação da verdade, que perseguem, ameaçam, agridem, ofendem que não se curva aos seus caprichos, quem luta pela liberdade de expressão e pelo direito que a sociedade tem à informação.
Vou contar rapidinho algumas das ameaças que já sofri. Não vou contar todas, pois são muitas.
No início da década de 90, um político chegou a contratar um pistoleiro para me matar. Descobri tudo e a operação foi abortada. Outra vez, para me assustar, um carro parou na frente da minha casa e dois homens deram tiros para cima; anos mais tarde, dois carros param na frente da minha casa, eu estava no pátio conversando com o jornalista Carlos Bezerra e a amiga Ana Paula, de um dos carros foi disparado um tiro em nossa direção. Por pouco a bala não me atingiu, ficou alojada na parede do pátio.
Em 2006, o senador José Sarney moveu mais de 20 processos contra mim na inútil tentativa de me calar.

Ontem, às 12h37 recebi uma ameaça via internet. Na caixa de comentários deste blog alguém deixou esta ameaça: “vai te f (…)  alcineia vou te matar , tu vai ver só , vou tocar fogo na sua casa.” O autor da ameaça estava conectado pelo provedor NTC. Seu IP é  189.77.202.54. Portanto, é muito fácil identificá-lo. Com esses dados registrei ocorrência na 6a Delegacia de Polícia e na Polícia Federal. Agora, é esperar só um pouquinho pra saber quem é o valentão ou valentona que quer me calar a qualquer custo. Ou será que a Polícia Civil vai ficar de braços cruzados? Ainda bem que temos a Polícia Federal.

P.S – Os fatos que relatei aqui sempre aconteceram em ano eleitoral ou em período de operações da Polícia Federal.

  • Não sei o quanto pode significar para a senhora, sou só uma sigla, mas oro e desejo muito que não sejam colocados “panos quentes” sobre seu caso, sem menosprezar o trabalho da polícia. É pelo menos absurdo haver gente tão, tão , tão incapaz de mander um mínimo de diálogo com um contentor de idéias conflitantes, mesmo sabendo que as idéias desse tipo de doente (pelo menos sociopotas) são materializadas em vantangens mais que indevidas para seus bolsos. Nem o pânico de se enchergar tão incopetente, necessitanto parasitar o estado para se manter, justifica tal atitude. Criminosos, loucos de grau maior. Que a justiça seja feita, terrena e divina. E não se cale senhora, viva pelo que acredita, não se cale. Que os anjos do Lorde da Existência, arquiteto de que tudo que há, guiem-na por seus caminhos, onde for. Amém.

  • Néa

    Caiu um armario aqui!!! Tô começando á acreditar que não foi “obra” dos meus “amigos”.A reação do “Rup Raivoso” foi tão desmedida,tão idiota que fiquei na duvida.Me lembrei de Stalin e Trotski!Acho que relerei “Os miseraveis” do Victor Hugo e,para arrematar,”O Principe” de Maquiavel,rsrsrsrs

  • Continue sempre essa mulher forte que é e uma super profissional, capaz, dona de uma grande reputação entre nós leitores e eleitores, acesso sempre que posso seu blog e gosto de saber que aqui no Amapá, existe muita gente honesta, na verdade a maioria e que agora com essa operação de polícia federal espero que cai a ficha dos políticos, para fazer de seus mandatos realmente o que o povo lhes delega que é a defesa do interesse da população e não seus interesses pessoais.

  • Bom dia Alcinea, além de ser uma jornalista que tem postura correta (respeita todas as fontes) você é uma pessoa cheia de generosidade, afetividade e que nunca, nunca, deixa os amigos chorando sozinhos. Eu sei disso. Recebe minha solidariedade e meu repúdio a este ato de ameçaça, que rogo a Deus seja somente uma brincadeira ridícula de mau gosto. Bjs.

  • É importantíssimo, Alcinea, esses relatos no blog. Nós que convivemos mais próximos de vc temos conhecimento, mas tem pessoas que não os tem. E isso, um dia por aqui (Amapá) vai ter que acabar. Nós temos que reagir, buscar os nossos direitos e ter o respeito da sociedade enquanto responsáveis pela informação.

    • Não tem nada a ver,meu caro.A Policia Civil é,antes de tudo,uma corporação em defesa do povo.Não te esqueças que o dito “secretário” era da PF.Em todas as organizações,como nas familias tambem,existem as “ovelhas negras”. A PC irá agir mesmo,podes ter certeza.A PF só entrará no caso se ele for federal o que,não parece,nesse momento,ser o fato.Confie e ACREDITE!!!

  • Pois é, minha tia, vc é tão sábia, querida e amada que causa inveja, e a inveja mata, mas não a vc e sim a este individou q lhe quer tão mal. O matará de rancor, ódio… q ele mesmo faz questão de carregar dentro de si, ou até mesmo de arrependimento, quando estiver atrás das grades!
    E lembre-se, se a justiça do homem vir a falhar, saiba q a de Deus nunca falhará!

    Estou com saudades.. sumi um pouquinho, mas não te esqueci!
    te amo muito!!!!

  • Muitas vezes não são nem os politicos, mas os trouxas apaixonados, que ainda não entenderam que politica é momento, brigam hoje e estão juntos amanha, e que agente não tem que transformar isso numa guerra!!! pois esses caras não merecem, nenhum deles!!!vamos para o debate de idéias, o que é melhor para o Amapá!! somente, sem bala pelo amor de Deus… desculpem o trocadilho!!!

  • COM CERTEZA A POLICIA CIVIL UMA INTITUIÇÃO CONSTITUCIONAL NÃO IRIA SE PRESTAR A ESTE PAPEL, TÃO INDIGNO. CASO CONTRARIO, TEMOS A HONRADA POLÍCIA FEDERAL, QUE SALVO ENGANO, PODERÁ AGIR SE O CRIME TIVER ALGUM “NEXO CAUSAL” COM PROCESSO ELEITÓRAL. SE EU ESTIVER ERRADO POR FAVOR ME CORRIJAM.

  • Amiga Alcinea,
    É imperdoável e total absurdo qualquer tipo de manifestação que tenha fins de calar qualquer tipo de informação.
    A liberdade de imprensa deve ser respeitada em sua totalidade. Não se pode retroagir aos tempos negros da Ditadura, que por décadas manchou a imagem do nosso País.
    No Amapá, um Estado novo, cheio de tanta gente boa, é um absurdo que ainda ocorram fatos como este.
    A política é um meio para que se discutam idéias e procurem soluções, não para gerar uma guerra.
    É preciso que tenhamos a sabedoria para ouvir opiniões contrarias, por que elas enriquecem o processo eleitora.
    È livre a escolha de candidato, partido, cor, time, ideologia…
    Uma pena que esteja acontecendo isso.
    Conte com o apoio de seus amigos e companheiros de jornalismo.
    Você não está sozinha.
    Um abraço fraterno.

  • caramba!nao desgrudei os olhos de seu texto.Que bagagem vc tras em sua trajetorio.Muitas experiencias com a politica do Amapa!Quantas hem?!Por isso vc pode escrever o que quizer!tem conhecimento de causa.Passei a admira-la mais ainda!Vc ja imaginou transpor a barreira do blog,sair da esfera virtual e legislar em nosso favor ao vivo e a cores!?Vc ja tem uma grande militancia!acho q daria certo.bjs…se cuide sempre!

  • Pensei que esse tipo de coisa não existisse mais…Sonhei que a conquista da democracia fosse pra valer… Tantas vidas se perderam em busca desse ideal, tanto sangue derramado… Será que tudo foi em vão? Apesar de tudo, apesar das decepções, ainda ouso sonhar com dias melhores, com liberdade, com PAZ! Acho que falta Deus nos corações humanos. Seja forte, Alcinéa! Confie na proteção de Deus e nas orações das pessoas que te querem bem. Vc está no caminho certo.

  • Não te falei que não são machos mas,sim,trouxas?Hoje,Néa,eles sabem que qualquer ato selvagem da parte deles será retribuido com as grades e,salvo aqueles que gostam de “dormir nos braços de outro homem”,nada farão para te atingir fisicamente.Não sou petista mas quando, neste país,se prendia governadores(Arruda e Pedro Paulo),senadores(Luis Estevão)Desembargadores,juizes e deputados?Hoje,aquilo que se diz direita,quer tirar o PT do poder para evitar este tipo de ação.Tem petista ladrão???TEM!Tem petista corrupto? TEM!Tem petista comunista?Tadinhos,nem sabem direito o que é isso,rsrsrs(comunista devia ser alçado a categoria de animal em extinção.Hoje todo mundo quer saber do que é seu,não do que o vizinho precisa!)Por tanto minha querida,nem em pesadelos pense em psicografar para nós como te sugeriu alguem num post,(manda esse pessoal parar de assistir “Nosso Lar”)sigas em frente,sempre de cabeça erguida e não te esqueças do que te escrevi no email.Todos,mas todos que se sujaram irão prestar contas.Acredite!
    Abs

    • Ei! Ainda sou comunista. Bem, o que foi descrito teoricamente e nunca colocado em prática. Na verdade o modelo econômico comunista (ou socialista, marxista, lenista, trotskista, morenista e muitos outros istas que redundam, quase, no mesmo) já deveria ter outra denominação, só para evitar a discriminação, mesmo. E, apesar de frágil (há diversos pontos críticos para este modelo funcionar) não deixa tanto a desejar quanto o atual modelo capitalista, no quesito estabilidade. Na verdade o modelo vem sempre sendo reformulado, talvez alguém um dia chame de economia solidária ou outro nome, mas resta, aos que acreditam nele, a esperança de que um dia seja operacional e traga algum grau de justiça social, bem, é uma esperança. Mas aqui não é o fórum para discutir isso (desculpe por “vampirizar” seu blog madame).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *