Lucas Barreto diz que o Amapá é “orfão do desenvolvimento”

O senador Lucas Barreto (PSD–AP) listou nesta quarta-feira (13) em Plenário, as dificuldades enfrentadas por seu estado em diversos setores e classificou o Amapá como uma sociedade “órfã do desenvolvimento” e esquecida por representantes das nações. O senador criticou as ações em defesa da preservação ambiental no estado, que para ele têm dificultado o crescimento econômico e ficam apenas nas promessas.

— Fomos levados por uma falsa e vaga promessa de pensarmos globalmente e que as ONGs, o Estado brasileiro e os países ricos nos ajudariam em nosso desenvolvimento sustentável pela via compensatória. Foi, certamente, o maior ‘fake ecoplanetário’ já pregado contra o Estado brasileiro — disse o senador.

O parlamentar afirmou que a maior preocupação dos países ricos não é com a população do Amapá, e sim, com as unidades de preservações que estão no território. Para ele o governo tem um débito com o estado, onde se encontram os piores índices de saneamento básico. Ele disse ser necessário construir uma nova estação de captação, tratamento de esgoto e de uma rede para zona norte e oeste de Macapá.

Lucas Barreto afirmou ainda  que o povo do Amapá pode ficar “sem território e sem futuro”, se as atividades econômicas em seu território continuarem sendo restringidas, sob pretexto de ampliar áreas protegidas.

Ele também fez um apelo ao presidente da República, Jair Bolsonaro:

— Senhor presidente, nós precisamos do Brasil não como arrecadador de nossas riquezas e usurpador de nossos sonhos; precisamos, sim, do Brasil como aliado na construção de nosso futuro, que se faz presente e urgente.

(Fonte: Agência Senado)

Randolfe convoca frente pelo crescimento do Brasil e destaca crise no Amapá

O senador Randolfe Rodrigues (REDE – AP) utilizou a Tribuna do Senado Federal nessa quarta-feira (7) para convocar os parlamentares a formularem uma agenda para a retomada do crescimento no país, exigindo responsabilidade em votações que aumentem o gasto público, diante do delicado momento da economia brasileira e das altas taxas de desemprego.

Randolfe afirmou que, no Amapá, a face da recessão se mostra ainda mais cruel. Os projetos de reajuste dos subsídios dos ministros do STF e da PGR, por exemplo, terão um impacto adicional de R$ 15 bilhões para as contas do estado, com seu efeito cascata sob o funcionalismo. “O estado do Amapá já possui um déficit próximo da casa de R$ 1 bilhão e seguirá parcelando salários: como aprovar essa medida, autorizando gasto extra pra população já sufocada com o desemprego e a diminuição de salários?”.

O senador lembrou ainda que o Estado do Amapá é uma das economias menos desenvolvidas do Brasil. O PIB amapaense é de aproximadamente R$ 18 bilhões, sendo o 26º no país, o que corresponde a 0,2% da economia nacional. Segundo a PNAD do IBGE, no primeiro trimestre de 2018, no Amapá se registrou a pior taxa de desemprego do país, com 21,5% de desocupados, bem acima da média nacional que foi de 13,4%. “Isto significa aproximadamente 80 mil pessoas, em idade e condições de trabalhar, sem emprego e sem meios para sustentar a si e a suas famílias no nosso Estado”, afirmou Randolfe.

A pobreza do Amapá é tão gritante, que o Ministério do Desenvolvimento Social revelou que 43% da população sobrevive com renda mensal inferior a um salário mínimo. Em Itaubal, este percentual alcança o inacreditável número de 94% da população com renda menor que um salário mínimo. “Não aceitaremos nenhum retrocesso nas conquistas obtidas! Precisamos, pelo contrário, avançar na real implementação da Zona Franca Verde e garantir as mínimas condições de vida para a população dos Estados periféricos do Brasil, como Amapá”, defendeu Randolfe.

O senador também lembrou em seu discurso que ontem (6), durante audiência pública na Comissão de Direitos Humanos (CDH), a Subcomissão do Estatuto do Trabalho chegou à conclusão que o primeiro ano de vigência da reforma trabalhista não trouxe nenhum beneficio ao trabalhador: “A reforma, que votamos contra, como já esperávamos, só prejudicou o trabalhador: ampliou o desemprego e reduziu os salários”, afirmou.

Logo mais tem a “Virada Democrática” em Macapá

Hoje, a partir das 16h, a região da Praça do Coco recebe o ato “Virada democrática”. A iniciativa vinda de organizações da “Frente Ampla Pela Democracia – Amapá”, formada por diversos movimentos e entidades, promove uma programação de shows musicais de vários artistas locais, que não representa um comício, e sim uma mobilização que envolve todas as tribos e grupos em favor da luta pela democracia.

O palco da praça vai reunir muitas pessoas para mais um ato unificado. Este é o segundo movimento puxado pelas mulheres e ativistas independentes, depois do #EleNão, que aconteceu no dia 29 de setembro. Os dois atos se referem a uma negativa à candidatura e plano de governo do candidato Jair Bolsonaro (PSL), candidato que nega representatividade a muitos grupos pertencentes a sociedade, e ao qual a Frente Ampla Pela Democracia considera uma ameaça aos direitos de todas as pessoas que lutaram por liberdade, direito ao voto e direito de se expressar.

O ato

Além da defesa da democracia, a proposta é reforçar a campanha da “Virada Democrática”, que surgiu nas redes sociais e está levando centenas de milhares de pessoas ás ruas no Brasil e em outros países.

Aberto ao público em geral, inclusive com infraestrutura para receber crianças, o evento marca o calendário das manifestações em defesa da permanência de direitos, abrindo espaço para os que estão na luta pelas minorias, fazendo isso acompanhado de muita música, exibições e performances artísticas.

Confira os artistas que estarão no palco da “Virada Democrática”:

Máfia Nortista, Master Piece, Vinicius Gonçalves, Megh Araújo, Master Piece, Moi Sandino, Val Milhomen, Joaozinho Gomes, Selecta Branks, Diego Moura, Mini Box Lunar, Preto Jorge Antagonista, Zé Miguel, Mayara Braga, Stereovitrola, Jimmy Feiches, Maycon Bruno, DJ Lobotomy, DJ PinUP e Luh Salles.

(Naiane Feitoza)

#ELENÃO em Macapá ocupa a praça Floriano Peixoto

Nesse sábado, 29, mulheres, homens, famílias e integrantes de movimentos sociais, se mobilizarão contra os discursos de ódio de candidatos a pleitos presidenciais. A partir das 16h, a Praça Floriano Peixoto será palco da mobilização nacional #EleNÃO – Mulheres Contra o Fascismo.

Durante o ato uma vasta programação cultural será realizada por diversos artistas do estado do Amapá. Entre as atividades desenvolvidas, música, dança, contação de histórias, grafite, fotografia e artes visuais serão os instrumentos de protesto.

Confira a programação:
Música:

Yanna MC, Megh Araújo, Mini Box Lunar, Wellem Monte, Brenda Zeni,DJ Pin Up (Tyna), Michele Maycoth, Karol Trindade e muito mais. Continue lendo

Randolfe apresenta projeto de lei para baratear energia elétrica

A vedação do estabelecimento de bandeira tarifária vermelha para estados cuja produção de energia elétrica supere o consumo pode ser uma realidade. É o que prevê o Projeto de Lei nº 390/2018 apresentado ontem pelo senador Randolfe Rodrigues.  No PL do senador, estipula-se que estados como o Amapá, que produzem mais energia do que consomem, não devam ser incluídos no aumento da tarifa.  Se aprovado, o Projeto vai baratear o preço das contas de luz dos amapaenses.

Continue lendo

Eleições 2018: condutas vedadas aos agentes públicos

Desde sábado (07/07), os agentes públicos, servidores ou não, estão proibidos de praticar uma série de condutas passíveis de afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos na eleição deste ano. Essas vedações estão previstas na Lei das Eleições (Lei nº 9.504/1997). O objetivo é evitar o uso de cargos e funções públicas em benefício de determinadas candidaturas e partidos.

Pelo artigo 73 da Lei das Eleições, os agentes públicos estão impedidos, nos três meses que antecedem o pleito, de nomear, contratar ou admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional de servidor público. Continue lendo

Comentários nas mesas de bar

Comentários nas mesas de Bar nessa época do ano
Elton Tavares*

No bar a gente resolve os problemas do mundo todo em algumas horas, regados a muita cerveja e teorias mirabolantes. A filosofia de boteco é ampla, mas nestes tempos de campanha política, o pessoal questiona, critica, engrandece, crê, descrê e etc. Sim, não só no boteco, mas nas tocas, nas ruas, nos becos, escritórios, gabinetes e etc. Mas bom mesmo é no botequim.

Entre uma conversa e outra sobre todo tipo de candidato, várias opiniões são emitidas nas mesas. Entre os muitos comentários impublicáveis sobre o dia-a-dia destes tempos estão:

“Aquele limpeza!”; “Mais puxa-saco logo”; “Me rouba logo!”; “Tudo mentira que eu sei!”; “Tá escrevendo e falando merda”; “Depois de velho, se expõe ao ridículo”; “Tááááá, pra caralho!”; “Logo tu, surucucu”; “Me admira de ti”; “Até tu, rapá?”. “Fulano é traíra” e por aí vai (risos).

Como sou do grupo sem grupo algum, dou risada e mais escuto do que falo. Realmente, me divirto. Pois convenhamos, esse período é hilário e acho muito porreta ouvir as estratégias, “engenharia política”, planos malucos, alianças inusitadas, probabilidades impensáveis dos cientistas políticos bêbados e profetas embriagados.

*Elton Tavares é cronista, jornalista e editor do Blog De Rocha

Eita! Ex-presidente do PSC é acusado de pagar prostitutas com dinheiro de fundo partidário

O fundador e ex-presidente nacional do Partido Social Cristão (PSC), Vitor Jorge Abdala Nósseis, é investigado pelo Ministério Público de Minas Gerais por suspeita de ter desviado recursos do fundo partidário para pagar prostitutas. Os recursos do fundo eram originalmente destinados à Fundação Instituto Pedro Aleixo (Fipa), entidade vinculada ao partido até o ano passado. O próprio partido entregou ao MP mineiro e à Polícia federal, ainda em 2017, uma gravação em que Nósseis afirma ter usado o dinheiro para “comer putas”. (Leia a matéria completo aqui no Congresso em Foco)