Notícias anteriores sobre o ex-governador Pedro Paulo

Selecionei algumas notícias sobre a Operação Mãos Limpas nas quais aparece o ex-governador Pedro Paulo Dias. Se além dessas, você quiser ler ou reler outras sobre o assunto basta pesquisar aqui no blog. A pesquisa é rápida e fácil. Na coluna do lado direito do blog, logo abaixo de Enquetes está a caixa “Pesquisa no Blog”. Nela você digita “Mãos Limpas” que terá acesso rápido a todas matérias publicadas neste blog sobre a maior operação de combate a corrupção realizada pela Polícia Federal no Amapá

Governador do Amapá é preso pela PF

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 10/09/10 as 11:32 am

O governador do Amapá, Pedro Paulo Dias (PP), foi preso na manhã desta sexta-feira, 10, em Macapá, durante Operação Mãos Limpas, deflagrada pela Polícia Federal. O objetivo da operação é prender uma organização criminosa composta por servidores públicos, agentes políticos e empresários, que praticava desvio de recursos públicos do Estado do Amapá e da União. (Leia mais)

Presos pela PF já estão em Brasília

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 10/09/10 as 11:56 pm

Os  presos  hoje em Macapá  pela Operação “Mãos Limpas”  desembarcaram no aeroporto de Brasília às 22h30. Eles foram recambiados de Macapá para Brasília em avião da Polícia Federal.
No aeroporto um ônibus já estava à espera deles para levá-los ao Instituto Médico Legal para exame de corpo de delito. Depois do exame, eles começam a ser ouvidos na superintendência da PF.
Por terem foro privilegiado, o governador Pedro Paulo Dias e o presidente do Tribunal de Contas Júlio Miranda – que foi preso na Paraíba – ficarão em celas especiais na carceragem da PF. Os demais serão transferidos para um presídio.
Para todos eles foi decretada prisão temporária de cinco dias, podendo ser renovada por mais cinco dias. Podem também ter decretada prisão  preventiva, se houver necessidade.

Na Papuda

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 11/09/10 as 5:22 pm

Dos 18 presos na Operação Mãos Limpas, só o governador Pedro Paulo Dias e o presidente do Tribunal de Contas José Júlio Miranda permanecem na superintendência da Polícia Federal. Eles tem foro privilegiado por causa dos cargos que ocupam.
Os demais foram transferidos na madrugada para o presídio da Papuda e para o presídio feminino.

Amante do governador foi peça chave para chegar aos envolvidos
Bruno Paes Manso – O Estado de S.Paulo

Por ser governador de Estado, ter sido vice e secretário estadual da Saúde nos últimos oito anos de governo, Pedro Paulo Dias (PP) tinha foro privilegiado, o que dificultava o acesso a seus segredos. Apesar das suspeitas, Pedro Paulo não podia ter o telefone grampeado. Mas havia a jovem Lívia Bruna Gato de Melo, pouco mais de 20 anos, amante do governador e servidora da Secretaria de Estado da Saúde. Foi quando a Polícia Federal percebeu que tinha nas mãos um grande trunfo.

Desde o ano passado, com autorização da Justiça, o telefone dela passou a ser monitorado pela PF em conversas que orientaram investigações, ajudaram a compreender quem é quem no esquema e a confirmar suspeitas sobre crimes que vinham sendo cometidos pelo grupo contra o Estado. Além de a amante ter papel importante no pagamento das supostas propinas, o telefone de Lívia era usado pelo governador, casado e pai de dois filhos, para falar sobre eventuais negociatas.

Pelas interceptações, foi possível saber que a Secretaria da Saúde estava sem dinheiro para pagamentos de contratos, compra de material e até para o salário dos servidores. Foi também pelo telefone de Lívia que o núcleo de inteligência da PF descobriu que, apesar da falta de verba na pasta, o casal fazia viagens de lazer a Belém com dinheiro da secretaria. Nas conversas, os dois combinam ir à Praia de Salinas dizendo que iam tratar de assuntos em São Paulo.

Passagem. Em outro diálogo, quem pede à moça passagem para Cuiabá (MT) é o irmão do governador, o ex-deputado estadual Benedito Dias, indiciado em 2007 pela PF na Operação Sanguessuga. Uma mão lavava a outra. O irmão do governador não deixava de retribuir os favores da amante do governador. Mesmo que fosse à base dos bons conselhos. Em uma escuta, em conversa com a colega de pasta, Gracinete, Lívia conta que Benedito Dias sugeriu a ela que saísse do Amapá. O motivo era um dossiê que vinha sendo preparado pela mulher de Pedro Paulo (que ela apelidou de Barbie) e que seria entregue aos adversários políticos se o caso extraconjugal prosperasse.

A amante pondera com a colega que Benedito garantiu a ela que ficasse tranquila porque o salário de servidora da Saúde continuaria pingando na conta mensalmente. Para arrematar a conversa, as duas confidentes ainda comentam sobre um contrato irregular na Secretaria da Saúde de mais de R$ 1 milhão.

Descuidada, ela acabou orientando os policiais a prestarem atenção em outro suspeito, assessor informal do governador, responsável por fazer os pagamentos nos bancos pela Saúde. “Cadê o doutor?”, pergunta o funcionário a Lívia. “Ele está doido atrás de ti. Tem um depósito de R$ 20 mil para fazer agora”, ela responde. O funcionário percebe que era perigoso dar continuidade à conversa.

“Tá ficando doida?”, ele pergunta. “Desculpa”, ela fala e depois cai no riso.

As conversas também permitiram testemunhar um governador em plena fase de enriquecimento. O casal conversava sobre os novos investimentos do político. Pedro Paulo diz ao telefone que se atrasou porque teve que ir à sua fazenda no Oiapoque. O governador lamenta que a criação de búfalos não estava se adaptando ao sal que ele vinha usando.

MPE ajuíza ação contra ex-governadores

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 24/10/11 as 7:27 pm

A Ação foi ajuizada contra Waldez Góes, Pedro Paulo Dias
e três ex-secretários de Planejamento

O Ministério Público Estadual concedeu nesta segunda-feira (24) entrevista coletiva à imprensa, para divulgar a ação de improbidade ajuizada contra os ex-governadores Antônio Waldez Góes da Silva e Pedro Paulo Dias de Carvalho, referente aos valores de consignações, que não estavam sendo repassados às entidades financeiras, no período de novembro de 2009 a dezembro de 2010. (Leia mais)

MPF/AP denuncia ex-governador Pedro Paulo e sua mulher por invasão de terras públicas e estelionato

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 26/09/12 as 9:32 am

A Justiça Federal recebeu, na última semana, denúncia contra Pedro Paulo Dias de Carvalho, governador do Amapá em 2010, e Denise de Nazaré Freitas de Carvalho, ex-primeira-dama. Os dois são acusados pelo Ministério Público Federal no Amapá (MPF/AP) de uso de documento falso, invasão de terras públicas e estelionato. A instituição quer a condenação dos dois pelos crimes. (Leia mais)

STJ prorroga prisão de Pedro Paulo

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 14/09/10 as 9:19 pm

O STJ prorrogou a prisão temporária do governador Pedro Paulo Dias
e do ex-governador Waldez Góes (PDT)

Dos 18 presos em Macapá, na última sexta-feira, na “Operação Mãos Limpas”, seis vão continuar na prisão por mais tempo e 12 ganham liberdade agora à noite.
O ministro Otávio Noronha, do STJ, prorrogou a prisão temporária do governador Pedro Paulo, do ex-governador Waldez Góes,  presidente do TCE Júlio Miranda, empresário Alexandre Gomes e  secretários de Estado Aldo Ferreira e Adauto Bittencourt.
Também esta noite, Noronha assinou os alvarás de soltura dos outros doze.

Dezoito são denunciados por fraude em licitações na Saúde

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 03/06/14 as 11:30 am

O Ministério Público Federal no Amapá (MPF/AP) denunciou 18 pessoas por associação criminosa, fraude em licitações, peculato, lavagem de dinheiro e ocultação patrimonial. Os crimes foram cometidos para beneficiar a empresa Amapá Comércio e Serviços Ltda em licitações da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). As irregularidades foram identificadas a partir de documentos apreendidos na Operação Mãos Limpas. Após análise, novas investigações resultaram na Operação Dis Pater, deflagrada pela Polícia Federal, em 2012.

A Amapá Serviços foi beneficiada por organização criminosa composta pelos proprietários da empresa e por servidores da Sesa. As fraudes tiveram início ainda em 2005 quando a Sesa alterou a minuta do Edital de licitação para restringir a concorrência e impossibilitar que outras empresas participassem.

Vencedora da licitação, a Amapá Serviços foi contratada pelo valor global de R$6,5 milhões, bem acima dos R$5,7 milhões previstos no Edital. O MPF/AP constatou ainda que a empresa, entre todas as outras, recebia o valor mais alto pago pela secretaria, apenas para prestar serviços de limpeza.

Na data da celebração do contrato foi assinado termo aditivo diminuindo o valor a ser pago para empresa. No entanto, cinco dias depois, novo termo incluiu outros postos de saúde. Com isso, o valor da parcela mensal pago à empresa passou de R$541 mil para R$549 mil. Mas, a justificativa para a medida não foi acompanhada de Mapa de Distribuição de Postos por Unidade Administrativa, o que impedia de verificar se o que estava no papel condizia com a realidade.

Entre 2007 e 2010, além de vice-governador, Pedro Paulo Dias de Carvalho acumulou a função de secretário de Saúde. Era ele quem, com frequência, autorizava os pagamentos e emitia ordens bancárias. Ao assumir o governo do estado em 2010, Pedro Paulo Dias de Carvalho, foi substituído na pasta pelo irmão Elpídio Dias de Carvalho. Este, por sua vez, deu continuidade às práticas ilícitas. (Leia mais)

    • Não sei se vc mora no estado,observo suas postagens aqui.Mas respondendo a sua pergunta,se depender do seu voto e do restante das viuvas,creio que Camilo não se reeleja.Confio na justiça Divina e no meu voto,dai acredito que Camilo seja reeleito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *