PF prende dupla com notas falsas e drogas em Macapá

A Polícia Federal, com o apoio do Ministério Público do Estado do Amapá, prendeu em flagrante hoje em Macapá  um homem de 37 anos  e uma jovem de 22   com notas falsas.
A dupla foi presa na saída dos Correios onde foi receber uma “encomenda”, que na verdade era um pacote com R$ 3.100 mil em notas falsas. A “encomenda” – que  veio de Minas Gerais – tinha como destinatária a sogra da jovem.
Além da grana, os dois portavam drogas sintéticas. Ainda hoje os dois serão encaminhados para o presídio (Iapen).
A PF não divulgou os nomes dos “bunitinhus”.

O inocente

Denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por corrupção passiva e obstrução de Justiça e investigado no STF, o senador Aécio Neves (PSDB) reassumiu o mandato hoje jurando inocência. Ele teve o mandato suspenso no dia 18 de maio pelo ministro Edson Fachin, do STF, mas sexta-feira passada  teve o mandato restituído por decisão do ministro Marco Aurélio.

Não cometi crime algum. Fui vítima da armadilha de um criminoso”, enfatizou o tucano hoje em seu discurso na tribuna do Senado.
Acusado de pedir propina de R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista , Aécio disse que essa grana era um empréstimo – e não propina –  e que seria pago.

Então tá. Né?

PF prende mulher que usava documentos falsos para fraudar a previdência

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (04) a Operação Meia Tinta para investigar uma mulher que utilizava documentos falsos para tentar receber indevidamente benefícios previdenciários.

Foi cumprido um mandado de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva para fins de identificação civil no endereço da investigada, localizado no bairro Infraero II, em Macapá/AP.

A mulher teria utilizado identidades falsas para requerer aposentadoria rural junto ao INSS e aposentadoria por idade junto à Justiça Federal no ano de 2015.

A detida foi encaminhada à Superintendência da Polícia Federal no Amapá e poderá responder pelos crimes de tentativa de estelionato, falsificação de documento público e falsidade ideológica.

(Ascom/PF-AP)