Lindo e moderno o novo prédio da escola de música Walkíria Lima

Está lindo o prédio da Escola de Música Walkíria Lima que será inaugurado na próxima quinta-feira, 5, pelo governo do Estado. É  moderno e acessível, dotado de estacionamento, urbanização, elevadores, um andar para auditório, outro para o setor administrativo, e dois andares  de salas de aula para estudos teóricos, coletivos e de prática individualizada
As obras foram executadas pelo GEA, através da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinf), com recursos na ordem de R$ 7,8 milhões, captados no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Além disso, a Secretaria de Estado da Educação (Seed) investiu R$ 1,4 milhão em mobiliários e instrumentos musicais.
O novo prédio tem capacidade para atender dois mil alunos.

A programação de inauguração começa nesta quarta-feira, 4, com apresentações culturais, coordenadas pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult), em tendas e palcos, instalados na Praça da Bandeira, das 14h às 22h. O público contará com apresentações teatrais e musicais, exposição de artes visuais e literária e grupos de dança.

A Escola foi inaugurada em 25 de janeiro de 1952, pelo então governador Janary Gentil Nunes, com o nome de Conservatório Amapaense de Música. Com a morte da pianista e professora Walkíria Lima, uma das primeiras professoras e diretora do Conservatório, seu nome mudou para “Escola de Música Walkíria Lima”.

Era assim
Era este o prédio da escola de música Walkíria Lima. Ele foi demolido no finalzinho do governo de Pedro Paulo Dias, em 2010.

 

Programação cultural da inauguração da escola de música

Quarta-feira (4/7)

Local: Praça da Bandeira

Tendas

15h às 21h – Exposição de artes visuais (artistas plásticos e escultores) – Tenda 2

16h às 21h – Exposição literária (poetas e escritores locais) – Tenda 3

17h – Apresentação de espetáculo “Se deixar ela canta”, da Cia Garapé – Tenda 1

18h – Apresentação do grupo Elenco Independente – Espetáculo “Eu entrei na roda” – Tenda 1

19h – Apresentação Tio Nescal – Tenda 1

Palco

15h às 22h – Música eletrônica – DJ Erlinho

17h – Coral do Coração

18h – Banda de Fanfarra Esther Virgolino

19h – Apresentação da Cia de Dança Memórias Difusas

20h – Apresentação do Grupo de Dança Talentos

21h – Venilton Leal e Banda

22h – Banda Afro Brasil

Quinta-Feira (5/7)

Local: Praça da Bandeira

Tendas

15h – Apresentação de Teatro de Bonecos Guiga Melo – Tenda 1

15h30 às 16h – Apresentação Cirquim do Tiquim – Tenda 1

16h às 16h30 – Apresentação do Grupo Norteando a Arte – Espetáculo Natureza, com participação especial da atriz amapaense Barbara Castro – Tenda 1

15h às 23h – Exposição de artes visuais (artistas plásticos e escultores locais) – Tenda 2

15h às 23h- Exposição Literária (poetas e escritores locais)

Palco

14h às 24h – Música eletrônica DJ Erlinho

15h – Orquestra Agnus Dei – Projeto Social Amém

16h30 – Orquestra OFEM Walkíria Lima – Coro Oscar Santos e Coro Lírico

17h – Coro dos alunos da licenciatura em música da Universidade do Estado do Amapá com banda base formada pelos acadêmicos de curso de música.

17h20 – Big Band Tumucumaque formada por alunos e professores do Walkírima Lima

18h – Cerimônia de Inauguração e visita do prédio

20h – Apresentação de Grupo de Marabaixo do Pavão

21h – Marabatuque

22h às 24h – Show Musical com artistas locais (Nivito Guedes, Osmar Junior e Rogério e Cia)

O que restou

Esta casa, de bela arquitetura,  hoje só existe em fotografia. Foi demolida em abril de 2014 pelo governo do Estado.
Situada na avenida Cora de Carvalho (entre Hamiltom Silva e Manoel Eudóxio-Centro), defronte do Conselho Estadual de Cultura,  ela contava parte da história do Amapá e da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA).
Foi construída há mais de meio século para abrigar diretores da empresa e estava em bom estado de conservação. Não se sabe os motivos que levaram o governo a derrubá-la.

Vale lembrar que o Conselho Estadual de Cultura levantou a possibilidade de incorporar a casa ao seu patrimônio e ali fazer um espaço cultural para exposição de artes plásticas, biblioteca, saraus. Os conselheiros naquela época temiam que um dia alguém tivesse a infeliz ideia de derrubar a casa. Mas não tiveram tempo de avançar nas discussões pois foram destituídos pelo governador Camilo Capiberibe porque eram indicados pelo governo anterior.

Durante todos esses anos o terreno está  cheio de mato, servindo  de esconderijo para bandidos e de lixeira viciada, como mostra a foto abaixo feita hoje pela jornalista Sândala Nascimento
Da bela arquitetura resta apenas um pedaço do que foi um charmoso muro

A placa da demolição

Começa quinta-feira o Macapá Verão

Durante todo o mês de julho haverá apresentações musicais, teatrais, exposição de fotos, contação de histórias e muita dança nos balneários e praças de Macapá.
A programação será aberta com a “Estação Lunar” na quinta-feira, 5, no balneário da Fazendinha  com a exposição do artista Jeriel “Cores da Nossa Amazônia” (19h), shows  de Chermon Junior (20h), Naldo Maranhão (20h30), Nonato Leal (21h), Enrico di Miceli (21h30), Marabaixo Ancestrais (22h), Amadeu Cavalcante (22h30) e Negro de Nós (23h).

Programação de treinos da Seleção Brasileira

A Bélgica será o adversário do Brasil nas quartas de final da Copa do Mundo Rússia 2018. O confronto será na próxima sexta-feira (6) às 15h (horário de Brásilia), em Kazan. Até lá, a Seleção Brasileira terá uma programação de treinos em Sochi, sede da equipe brasileira na Rússia.

A equipe desembarcou em Sochi no início da madrugada desta terça-feira (3).  O primeiro treino está marcado para as 18h (horário local), 12h no horário de Brasília.

Na quarta-feira (4), a Seleção treina às 17h ( horário local)

Na quinta-feira (5), véspera do jogo, a delegação segue para a cidade de Kazan, com voo marcado para as 9h. No mesmo dia, às 17h30 (horário local), Tite comanda o último treino antes do duelo com a Bélgica.

(Com informações da CBF e foto de Lucas Figueiredo/CBF)

Memórias da imprensa – O jornal Folha do Povo

Fundado em 1963 por Elfredo Távora e Amaury Farias, entre outros jornalistas, a Folha do Povo era um jornal semanal de oposição ao governo. Por causa disso seus jornalistas foram presos várias vezes.

Funcionava na avenida Mário Cruz. A foto registra uma das interdições do jornal, após o golpe de 1964. Um policial na porta principal impede a entrada e saída de qualquer pessoa. Neste dia quando Amaury Farias chegou ao jornal já estava lá à sua espera o delegado José Alves e um escrivão de polícia para prendê-lo.

Disse-lhe o delegado: “Amaury, na ausência do Elfredo (Elfredo Távora, editor-chefe do jornal, estava em Belém) tu és o responsável pelo jornal como redator-chefe, e aqui estamos por ordem do governador para te prender e fazer intervenção no jornal porque aqui funciona uma célula comunista.”

E lá foi o Amaury Farias preso mais uma vez. Ele e José Araguarino Mont’Alverne – que era um excelente repórter.