Pancadaria no congresso do PT

Terminou em tumulto com troca de socos e agressões verbais o congresso estadual do PT neste sábado no Amapá.

O lamentável fato já foi comunicado ao diretório nacional do partido. No comunicado,  presidente estadual e representantes das chapas Companheirismo, Um Novo Rumo e Ousadia Socialista dizem que “os ânimos foram demasiadamente exaltados iniciando uma pancadaria generalizada, com empurra-empurra, agressões físicas e verbais”

Leia a nota enviada agora a noite pela direção estadual ao diretório nacional:

“AO DIRETORIO NACIONAL DO PARTIDO DOS TRABALHADORES
AO DIRETÓRIO ESTADUAL DO PARTIDO DOS TRABALHADORES NO ESTADO DO AMAPÁ
C/C: DA SORG NACIONAL
Ao cumprimentar Vossas Senhorias, servimo-nos do presente instrumento, para informar, que o Congresso Estadual no Estado do Amapá, foi CANCELADO, pelas razões de fatos narrados a seguir:
As 16h do dia 06 de maio do ano em curso foram dadas inicio ao Encontro Estadual do Partido Trabalhadores no Amapá, seguindo todas as normas estabelecidas pelo Regulamento do 6º Congresso Nacional e após o devido credenciamento de 175 delegados.
Ao iniciar a leitura e a devida avaliação da proposta de regimento para o congresso, a Chapa: RECONSTRUÇÃO deu inicio a um tumulto geral ao pedir para inverter ordem da pauta do evento, realizando primeiro a eleição para presidente, Diretório Estadual e Delegada Nacional e deixando o debate da tese para o final do congresso, fato que contrariava a ordem regulamento nacional e também por retirar o direito e a liberdade das chapas inscritas no PED 2017 de expor suas posições a cerca dos desafios do PT, uma vez que, em seu entendimento o debate deveria ser feito apenas com base da tese de sua chapa devendo as demais se submeter ao debate do conteúdo da tese, pois esta teria sido a mais votada no PED, sendo que neste caso não poderia ocorrer o debate de teses.
Ao ser advertido da impossibilidade regimental o representante da Chapa RECONSTRUÇÃO, Antônio Nogueira, junto com outros membros iniciou tumulto, incitando a violência e agressão verbal aos dirigentes do partido que comandavam o processo. Após divergência e com o intuito de evitar ainda mais confusão a mesa encaminhou a proposta apresentada pelos mesmos a votação sendo aprovados por 86 votos a favor e 81 contra.
Continuando a leitura o militante, HEVERSON DOS SANTOS CASTRO, pediu destaque e iniciou seu discurso de maneira, desrespeitosa ao desqualificar o presidente estadual, JOEL BANHA PICANÇO com palavras de
baixo calão, calúnia, injúria e difamação. Momento onde os ânimos foram demasiadamente exaltados iniciando uma pancadaria generalizada, com empurra-empurra, agressões físicas e verbais, fato que acabou atingindo o presidente do PT e vários dirigentes estaduais, momento em que o presidente declarou encerrado o evento por não haver clima e muito menos a garantia da segurança dos presentes, uma vez que havia no encontro filiadas com crianças de colo e filiadas (os) idosas(os).
Fato que nós, representantes das chapas abaixo assinadas estamos de acordo e aprovamos a iniciativa de cancelamento do referido congresso, pois não podemos tolerar e nem concordar com os fatos narrados acima. Nada justifica a violência.
Certos de contar com a compreensão e o apoio desta instância partidária, solicitamos o adiamento para realização do Congresso Estadual no Amapá com o acompanhamento de um membro da direção nacional. Na segunda feira dia 08 de maio a executiva estadual já fora convocada para encaminhar nova data para a realização do Congresso Estadual.
Atenciosamente,
Joel Banha Picanço – Presidente Estadual PT/AP
Cláudia Maria Gomes de Souza – SORG/AP
Dora Nascimento – Chapa Companheirismo
Isaias da Silva Carvalho – Chapa Um Novo Rumo
Ane Távora – Chapa Ousadia Socialista”